terça-feira, 15 de setembro de 2009

Cuidado! está vivo!

















" 'Veja!' gritamos, 'está vivo?'
E, portanto, este é o ponto onde muitos recuam eu teria feito o mesmo se pudesse afastando-se do cristianismo. Um Deus “impessoal” é bem aceito. Um Deus subjetivo de beleza, verdade e bondade, dentro de nossas cabeças melhor ainda. Uma força de vida informe, surgindo através de nós, um vasto poder que podemos deixar fluir o melhor de tudo. Mas o próprio Deus, vivo, puxando do outro lado da corda, talvez se aproximando numa velocidade infinita, o caçador, rei, marido isso é outra coisa muito diferente. Chega a hora em que as crianças que estavam brincando de bandido se aquietam de súbito: será que esse ruído é realmente de panos no vestíbulo? Chega a hora em que as pessoas que estiveram brincando com religião (“A busca de Deus pelo homem!”) de repente recuam. E se na verdade O encontrássemos? Não foi essa a nossa intenção! Pior ainda, e se Ele nos encontrasse?"

C. S. Lewis - Milagres

Jesus respondeu: "A obra de Deus é esta: crer naquele que ele enviou". João 6. 29


Reflexão:

  • Levo minha vida como se Deus realmente existisse?
  • O que é mais fácil pra mim; acreditar no Deus verdadeiro ou naquele que criei em minha mente?
  • De que lado estou: daqueles que preferem um Deus impessoal e que apenas exige o cumprimento de regras; ou daqueles que admiram um Deus pessoal, porém subjetivo de um tamanho que cabe dentro de nossas cabeças?
  • Que atitude preciso tomar para trazer minha fé para a realidade de minha vida hoje?

Abraços!

Gilliard - amado de Deus

2 comentários:

Quel disse...

A 'brincadeira do cristianismo' já esta indo longe demais. Esquecemos do Deus Todo-Poderoso para considerá-Lo 'gênio da lampada' e limitá-Lo a agir como queremos. Esse pensamento não nos leva a nada, se não a ruína.
Deus é Deus e Ele está acima de todas as coisas. Nós somos pequenos homens aqui na terra que não conseguem controlar nem as proprias ações.
É um sério aviso. Precisamos 'cair na real' e sermos cristãos à maneira de Cristo, adorando à Deus em Espírito e em Verdade. E o trantando como o Ser majestoso e cheio de glória que Ele é.

No Amado,
Quel :D

M. Gilliard Paes disse...

Oi Raquel! concordo contigo, e entendi o que quis dizer, mas creio que o certo seria dizer "a brincadeira da religião", pois o cristianismo em sua essência, o próprio Cristo, não é uma tentativa do homem de religar-se com Deus, mas o caminho apresentado pelo próprio Deus para nos aproximarmos dEle. É certo que durante a história vemos diversos movimentos religiosos empunhando a bandeira do cristianismo, mas oferecendo uma filosofia alternativa de aproximação de Deus. No entanto, se a palavra cristianismo ainda designa, como antes, "pequenos cristos" ou aqueles que seguem os ensinamentos de Cristo, então não se trata de brincadeira, mas da mais pura verdade. Creio que você quis referir-se a perverssão do cristianismo por parte da igreja dita neopentecostal, criando um evangelium da conveniência.

Pesquisar